Carreira em Recursos Humanos

female startersDicas quentes para quem está iniciando na área de Recursos Humanos, e também já atua.

Se você não tem experiência na área, certamente com a economia mais fria ficará mais difícil buscar uma vaga na área de RH, mas não impossível. Este tutorial de dicas foi desenhado para esclarecer pontos relevantes que podem lhe ajudar neste sonho de iniciar sua carreira em RH, buscar um novo trabalho na área, ou aprimorar seu currículo.

 

Formado(a) e sem experiência na área

Caso você tenha se formado(a) e não tenha experiência em RH, seria mais fácil se tivesse feito um estágio, mas depois de formado(a) a lei não permite que você possa estagiar. Se esta estudando ainda, pense fortemente em buscar um estágio na área durante o curso.

O estágio é importante para colocar em prática o que aprendeu na faculdade, e experimentar áreas de atuação diferentes dentro do RH. Se tiver alguma opção de fazer um estágio em RH não remunerado por 30 ou 60 dias, é uma outra coisa interessante. Pense que isto fará diferença no futuro para a sua carreira.

Mercado de trabalho frio

Certamente que com o mercado de trabalho desaquecido é mais difícil para se recolocar ou buscar um trabalho na área, ainda mais sem experiência, e não podemos mudar isto rapidamente, mas podemos adaptar nosso currículo para os selecionadores olharem para nosso perfil com mais interesse.

 Sobre currículo e emprego

Seja claro(a)

Seja sempre claro no objetivo, evite algo como “ Assistente Administrativo/RH/Financeiro e Contabilidade”. O selecionador não saberá exatamente qual é o seu objetivo, e pode descarta-lo do processo seletivo. Ele não pode ter dúvidas sobre o seu objetivo profissional. Lembre se que o selecionador ou selecionadora tem algo como 200 currículos para checar e selecionar 10 para entrevistas. Ele ou ela tem algo como 30 segundos para olhar o seu perfil e decidir pelo convite para uma a entrevista pessoal, ou o cesto de lixo.

Tecnólogos versus/e Graduados

Seja sempre claro no título do curso, ano de início e formatura, onde se formou. Não há problema algum em ter formação como tecnólogo de RH, são cursos rápidos e focados em temas de RH. No passado você se formava em psicologia, administração de empresas (e outros) para depois fazer uma especialização em RH. Muito tempo e dinheiro despendido com temas que não são de RH. Para reforçar, você pode pensar em especializações, como treinamento e desenvolvimento, remuneração estratégica, seleção de pessoas, gestão de custos em RH, folha de pagamento, legislação trabalhista, todos esses conteúdos especializados poderão lhe ajudar numa recolocação e na carreira no futuro. Imagine que você cursou dois anos como tecnólogo e mais dois anos numa especialização, estará mais que preparado para o mercado de trabalho.

Transferência interna

Outra opção para quem deseja ingressar na área de RH e não tem experiência seria aceitar vaga em outra área para no futuro pleitear uma transferência interna. Isto sempre acontece, certamente dependerá de vários fatores, mas é viável como estratégia. Precisa ter um pouco de paciência. Cuidado, não deixe que o selecionador perceba que a sua maior motivação é somente trabalhar em RH, pode ser ruim. Deixe claro que sua motivação é ingressar na empresa, independente da área.

Tamanho do texto

Prefira distribuir o texto em uma única folha de A4 se tiver um cargo de auxiliar, assistente, analista de RH, mesmo coordenador. Certamente é um desafio mas será mais adequado. Reforme cada parágrafo, cada expressão para este objetivo de escrever tudo em uma única folha. Se tiver várias empresas para colocar no histórico, prefira dar mais destaque para as empresas onde atuou em RH. Para as demais apenas mencione o nome da empresa e uma única linha sobre as atividades que desempenhou.

CEP para quê?

Apesar das buscar por web e portais facilitem a busca por CEP e regiões, nem sempre no papel encontramos o CEP do candidato, apenas o endereço. Sabemos que as empresas também olham isto, ainda mais em grandes centros e cidades como São Paulo. As empresas preferem funcionários que residam mais próximos, embora não seja uma regra como critério máximo de decisão de contratação. Imagine a disposição de um funcionário que gaste mais de duas horas de trajeto de ida ou volta ao trabalho, e a sua saúde ao longo do tempo. Muitas empresa também olham isto como critério de escolha.

Habilidades e seu perfil comportamental

Habilidades humanas, um segredo

Se você não tem uma larga experiência na área, não tem como mudar o seu passado e história. Pense em destacar no CV algumas habilidades pessoais como “diamantes”, como se fossem competências comportamentais. Em RH a habilidade de comunicação é muito importante. A capacidade de ouvir todos da empresa é outra competências humana interessante. Disposição para negociar e conversar também é importante. Habilidade numérica para trabalhar em folha de pagamento e estatísticas. Outro ponto importante em RH é ser discreto, todos os dias trabalhamos com informações confidenciais, quais as habilidades que você tem que poderiam ser destaque para atuar em RH, pense nisso. Leve para alguma área de destaque (logo no início) em seu CV para fisgar a atenção dos selecionadores e selecionadoras. Um parágrafo de 3 ou 4 linhas é suficiente.

Armadilhas

Os selecionadores ou selecionadoras são profissionais experientes, eles irão lhe perguntar onde usou melhor suas habilidades humanas que comentei acima. Ele ou ela pedirá um exemplo ou situação de quando a habilidade foi colocada em prática e foi importante. Pense nisso e se prepare para estas e outras questões chaves. Exemplo: O pessoal de folha de pagamento está habituado aos prazos, é muito comum. Você diz que se uma de suas qualidades é trabalhar sob pressão, com prazos curtos. O selecionador pode lhe solicitar para que conte alguma situação real que você vivenciou ou estava sob pressão, e como se saiu com o trabalho. Jamais invente coisas para seu CV, seja honesto.

Qualidades e defeitos

Sobre as qualidades, você poderá destacar as habilidades que comentamos acima, mas o selecionador ou selecionadora irá além, ele perguntará quais são os seus defeitos. Sabemos que todos temos qualidades e defeitos, então não fuja da pergunta, escolha o defeito menor como resposta. Exemplo: Uma pessoa muito objetiva pode ter o defeito de ser pouco paciente em algumas situações. E no seu caso? Pense nisso.

Motivos para trabalhar em RH

De forma objetiva escreva no CV por que escolheu trabalhar em RH. Todos temos bons motivos para expor, então conte aos selecionadores quais são eles. Faça um exame de consciência, pense bem. Pense nas matérias que mais gostou na faculdade, e por que gostou, entenda a essência disso, vai lhe ajudar e muito a responder esta questão da escolha da área de RH. Ele poderá lhe convidar para a uma entrevista mesmo não tendo experiência na área. Em RH todos os dias sua capacidade relacional humana é coloca à prova, todos os dias você conversa com muita gente, da empresa toda, pense nisso, fica a dica.

Escolhas de carreira dentro da área

Qual área devo iniciar em RH?

Não há como fugir, você terá que iniciar sua carreira em uma das várias áreas do RH. No passado era mais fácil. Se você estudou Psicologia, possivelmente você iniciou na área de recrutamento e seleção, ou treinamento e desenvolvimento, raramente na folha de pagamento, cargos e salários, benefício. Essas áreas eram mais próximas dos estudantes de administração de empresas, economia, estatística, e outras área mais numéricas. Hoje você pode se formar com tecnólogo e terá que fazer escolhas. Na minha opinião você pode observar o seu histórico escolar e identificar onde suas notas eram mais altas, é uma boa pista de onde você pode começar em RH. Se tem mais facilidade com número (e gosta) então trabalhar com a folha de pagamentos, cargos e salários, benefícios, relatórios gerenciais poderá ser melhor. Se tem mais gosto pela área comportamental, avalie as áreas de recrutamento e seleção, treinamento e desenvolvimento, análise de potencial. Lembre se que na área que escolher você será muito exigido em suas habilidades comportamentais que falamos logo acima, isto precisa estar alinhado. Exigências de comportamentos da área e as suas habilidades e comportamentos.

Generalistas ou Especialistas, e escolhas

Aqui estamos falando de rótulos, mas são muito usados. Sempre você terá que iniciar sua carreira por uma das áreas do RH. Se você trabalhar na mesma área por 4, 5 ou mais anos, será um especialista no tema. Isto é mais provável em empresas maiores, com RH´s mais estruturados, e divisões mais claras. Em empresa menores, onde o RH se resume a 2 ou 3 pessoas, certamente você será exigido para atuar em várias áreas. Pela manhã está fazendo um processo seletivo, à tarde fechando a folha de pagamento. No outro dia, fazendo pedidos de vale refeição, transporte e atualizando os admitidos e demitidos do plano de saúde com foco em benefícios. Então nas empresas menores, o papel de RH tende a ser mais generalista. Então muito possivelmente o porte e segmento da empresa que está ingressando em RH irá também influenciar a sua carreira e escolha por áreas. Como valor de carreira, a maioria das empresas valorizam (algumas estimulam) a flexibilidade dos profissionais generalistas. Todos têm o seu valor, e isto dependerá do porte da empresa. Para outros assuntos mais complexos, há a opção de contratação de profissionais seniores ou experts no mercado como consultores de projetos. Lógica muito comum hoje.

Como HRBP ou gestor de RH, terá que liderar um time

Depois de alguns anos de atuação como generalista ou especialista você pode ser convidado(a) ou promovido(a) para ser exercer as funções de consultor interno (HRBP) como um parceiro dentro de uma unidade de negócios. Pode ser promovido para ser um gestor de área, ou mesmo comandar o RH como um todo. Como HRBP ou gestor de RH você poderá ter uma equipe para liderar, e será testado como líder de pessoas, e deverá ter obrigatoriamente uma visão de custo e resultados, da empresa e como RH contribui para o sucesso do negócio. Nesta fase ter uma visão generalista pode ser mais vantajoso. Mas qualquer especialista poderá também evoluir na aquisição de conhecimento e habilidades para entender mais sobre cada área de RH.

Diversidade de formação

Cada dia mais, as empresa valorizam demais como os profissionais e gestores lidam com diversidade, de opiniões, de gênero, idade, posturas. Há uma discussão sobre a formação e área de atuação, e regulamentação da profissão. Há uma corrente que defende que somente profissionais formados em determinadas áreas podem trabalhar em algumas áreas. Certamente que na medicina isto é mandatório. Imagine você se consultando sobre um problema de coração com um médico ortopedista.   No fundo estão trabalhando para proteger o mercado de trabalho para quem se forma. O fato é que as empresas estão valorizando a não há nada que nos convença que a diversidade (inclusive de formação) terá ainda mais valor como elemento de diversidade dentro das empresas. Isto será um diferencial de negócios para competir e ter sucesso. Imagine um engenheiro trabalhando na área de saúde, projetando um coração mecânico, isto já existe. Um matemático examinando os traços de comportamento de milhões de consumidores. Não se prenda a discussões errôneas. Como profissional de RH fique antenado em tudo que acontece. De certa forma as novidades terão impacto nas empresas através das pessoas.

Competências essenciais de cada área

Sabemos que em RH a atuação é polarizada, de um lado, temas comportamentais, essencialmente humanos, como atitudes, expectativas, clima interno, medicina e segurança do trabalho, meio ambiente, e na outra ponta, gestão de custo de mão de obra, folha de pagamento, cargos e salários, remuneração variável, orçamento de benefícios, temas essencialmente numéricos, práticos e pragmatismos de gestão de números e custos. Pois bem, como escolher algo que tenha a ver com você?

Em breve vou detalhar aqui mesmo quais são as competências humanas, técnicas e ou comportamentais para cada área de RH.

RH no setor privado ou setor público?

Tenho cerca de 30 anos de vivência em RH em setor privado, indústrias e empresas de prestação de serviços em vários segmentos. Não tenho vivência profissional de RH no setor público, nunca foi minha aspiração. Muitas pessoas sonham em trabalhar no setor público em razão da estabilidade, das vantagens na hora de se aposentar. Tenho familiares que atuam em áreas diversas no governo estadual e até federal. Aos 14 anos fui estudar na Fundação Bradesco em Osasco e trabalhei no banco por 4 anos. Me sentia um número apenas fazendo parte de um exército de trabalhadores no banco. Imagino que em alguns órgãos públicos o sentimento pode ser o mesmo, você será um número. Não posso afirmar, mas podemos supor que os ambientes de trabalho são diferentes, é mais provável que encontre práticas de treinamento e desenvolvimento no setor privado, onde as empresas investem na formação dos profissionais, por que entendem que a qualificação é importante para competir no mercado. Os recursos de trabalho possivelmente são diferentes, mais presentes no setor privado. Algumas áreas do setor público são muito desenvolvidas e tecnológicas, mas não é regra. Não há orçamento para tudo. Não posso comparar ou afirmar sobre o ambiente interno, competição interna, qualidade das relações humanos, respeito, posturas da liderança, sobre como as pessoas se comportam, sobre os valores pessoais e profissionais de quem trabalha no setor público, não podemos fazer julgamentos, tão pouco generalizar. Tenho certeza que tanto no setor privado como no público há profissionais bons, muito bons e comprometidos e também os medíocres, sem sonhos e motivos para fazer um bom trabalho. Não importa o lugar, sempre encontraremos gente de todos os tipos. Você deve pesquisar e muito sobre como funciona cada setor, é a melhor coisa a fazer, e especialmente conversar com outras pessoas que já vivenciaram situações de trabalho em ambos os segmentos. Avaliar os prós e contras. Se pergunte se o ambiente e condições de trabalho no geral têm a ver com suas aspirações, seus sonhos e planos profissionais.

Errou? Repense suas escolhas profissionais

Independente das escolhas, como profissional você pode mudar de segmento ou área, isto sempre, mas desde que você se mantenha atualizado profissionalmente. Esta é uma regra de ouro para toda a vida. Além de especializações, e se manter atualizado sobre tendências e tecnologias novas, aprenda de verdade a se comunicar num outro idioma diferente de seu idioma nativo.

Idiomas e o futuro

Muitas oportunidades serão perdidas se não estiver atento nos estudos de outro idioma. Se tiver dificuldade no Inglês, opte pelo Espanhol, Francês, mas não se engane estudando 5 ou 6 anos em escolas padrões de idiomas que encontramos em cada esquina. Pense num professor particular para acelerar o aprendizado, convide mais dois amigos próximos para estudarem juntos e dividir os custos, sempre vale mais a pena, se aprende mais, com mais foco na sua área inclusive, e com custos menores. A internacionalização da economia brasileira não tem volta, mais cedo ou mais tarde você terá que enfrentar profissionalmente uma situação com outro idioma, uma visita, um texto, um e-mail, ou uma viagem. Mesmo atuando em empresas nacionais. Um dia sua empresa pode ser incorporada a outra empresa internacional, e certamente os profissionais que dominam ou estão em fase avançada de comunicação em outro idioma, terão vantagens e sim terão valor diferenciado para os novos diretores e gestores. Acredite, neste dia, numa data futura, o domínio do idioma terá um valor enorme. O idioma faz diferença para conseguir um novo emprego, inclusive em algumas áreas, segmentos de empresas, e níveis de cargos é mandatório. Como um especialista ou gerente de uma multinacional pode trabalhar sem dominar um idioma? Deixe a pós graduação para depois, prefira focar tempo e dinheiro no idioma. Muitos valorizam a pós graduação na carreira, eu pensaria no idioma antes. Sabemos que as especializações, pós graduações, programas de MBA são importantes, mais vantajosos ainda para as escolas que mantém os alunos por mais tempo no seu fluxo de caixa para ganhar valor no mercado financeiro.

Espero ter ajudado!

Espero ter ajudado com algumas informações e minha experiência de quase 30 anos em RH. Caso tenha dúvidas, queira perguntar sobre algum ponto, sinta-se a vontade para nos escrever pelos e-mail  contato@remunerar.com.br

No blog da Remunerar você poderá aprender mais sobre estratégias de remuneração e também se atualizar para aumentar sua empregabilidade em RH. Acesso nosso artigo mais recente: Por dentro da caixa preta de cargos e salários

 

2 Comments

  1. Evelin Cristina 23 de abril de 2017 19:22

    Muiti bom o artigo!

    Reply
  2. Monica Almeida 24 de abril de 2017 3:32

    Amei nossa muito muito bom obrigada por compartilhar seus conhecimentos e experiências.

    Reply

Comente

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*